Cheiro de Jardim

“Nesta fase, sua pintura com desenhos e colagens o figurativismo desagua em um simbolismo onírico e telúrico.

Da Albertina coreográfica das grandes composições explosivamente dramáticas ou em fase posterior a Albertina da retórica das torções anatômicas onde mãos, braços e pés perseveram em hipérboles mitológicas, aflora nova linguagem tanto mais serena quanto mais profunda e pungente.

Em um rumo, desta vez, pronunciadamente intimista, a linguagem das flores, sílfides, eloíns, Ariéis, cariátides animadas entoam áreas inauditas e sabiás lançam olhares distantes sobre o expectador.”

 

 

Martim Afonso Palma de Haro – Historiador, Mestre Enxadrista

4
Compartilhe: