Tangido Púrpura

Albertina Prates é um talento polimorfo. Atua também no canto e no Teatro. Percebe-se em sua pintura uma clara dimensão cenográfica. Música da caligrafia sustentada pelo bel-canto. De caráter bissexto no início, a partir das últimas exposições denota o propósito de um aprofundamento cada vez maior.

Enfim, tanger a púrpura é uma bela metáfora para a reflexão do homem diante de sua obra. Das exigências e dos enfrentamentos decorrentes o processo da criação nasce a púrpura Sangue das moreias obscuras que  circulam nas profundezas do inconsciente.

O trabalho de Albertina propõe esta grave sondagem, atestado de maturidade e enfrentamento. Mas a púrpura é também o selo trágico da realeza. Da realeza imperial-imperiosa de toda criatura de olhos abertos para o destino.

Rodrigo de Haro

Poeta, escritor e pintor

1
Compartilhe: